Chefe da Sauber acredita que Ferrari vetará “motor independente”

Monisha Kaltenborn, chefe e coproprietária da Sauber, deixou claro que é radicalmente contra a proposta dos “motores clientes” na Fórmula 1 para 2017.

No entanto, Kaltenborn concorda que os preços que as montadoras estão cobrando pelas atuais unidades de potência – supostamente até 30 milhões de dólares por temporada – são muito elevados.

“Esses preços são completamente sem fundamento”, declarou ela à ‘Auto Motor und Sport’. “As fabricantes estão construindo seus motores de qualquer maneira. Ninguém está dizendo que temos de voltar aos preços no nível dos V8, mas precisa haver um meio termo”.

Entretanto, a Ferrari, fornecedora da Sauber, já vetou a tentativa de Jean Todt de impor um teto orçamentário para os motores, então agora o presidente da FIA está apoiando o desejo de Bernie Ecclestone de ter um “motor cliente” disponível paralelamente às regras atuais.

“Creio que seis ou sete milhões de euros é um ótimo número”, disse Kaltenborn. “Seria de esperar que a Ferrari nos oferecesse o motor atual por esse valor. Mas eu simplesmente não posso imaginar a implementação de tal motor (independente de 2.5 litros)”.

“Acabamos de ver que a Ferrari possui seu direito de veto. Portanto, por que discutir alguma coisa quando você sabe que, em algum ponto, o fim da linha será atingido?”, acrescentou ela.