Duelo entre Nico Rosberg e Lewis Hamilton tem mais um capítulo em São Paulo

Felipe Domingues, Guilherme Cardoso e Luis Fernando Ramos

INTERLAGOS – São Paulo (SP)

O título está decidido, mas a rivalidade entre Lewis Hamilton e Nico Rosberg só vem aumentando e chega na corrida deste domingo no auge. Os dois tem evitado se olharem nos olhos quando se cruzam no motorhome da Mercedes. Os sinais se intensificaram até diante das câmeras: nos Estados Unidos, o episódio do boné de segundo lugar jogado por Hamilton no colo de Rosberg ganhou manchetes; no México, o cumprimento de ambos após a vitória do alemão foi mais gelado que um Iceberg; no sábado, em Interlagos, o inglês nem posou para a foto tradicional com os três primeiros colocados da classificação.

São cenas comuns da disputa entre dois pilotos que sabem ter um carro que é, com sobras, o melhor do grid. E não é por acaso que a tensão entre ambos cresceu nas últimas provas. Numa temporada marcada por um amplo domínio de Lewis Hamilton, Nico Rosberg parece ter virado o jogo recentemente. Teve azares como a quebra na Rússia e cometeu erros como em Austin. Mas superou o companheiro na disputa pela pole position dos últimos cinco grande prêmios.

– Fico feliz que o caminho está sendo assim, claro que é melhor para mim. Mas não sei explicar o motivo. A classificação é uma área que estive trabalhando ao longo da temporada, mas não tenho uma resposta direta porque isso mudou agora. O que posso dizer é que sou meio finlandês. A mentalidade se chama “Sisu” e significa atacar sempre. É sempre melhor terminar a temporada em alta, mirando o ano seguinte – disse Rosberg.

De cara amarrada, Hamilton buscou contra-atacar com palavras.

– Fiz o maior número de poles na temporada e ganhei o campeonato mundial, então não dá para fazer nenhuma leitura desta série de poles do Nico. Não dá para acertar tudo toda vez que vou para a pista – disse o inglês.

Para o duelo deste domingo, Hamilton revelou ao LANCE!/F1Mania que pretende atacar o companheiro logo na largada, mirando na curva que leva o nome de seu ídolo e homenageado na pintura de seu capacete.

– Se eu fizer o “S” do Senna na frente, já seria muito bom. Vou estudar os dados antes da corrida e acelerar o máximo que puder. Haverão poucas oportunidades para ultrapassar na prova e preciso aproveitar cada uma que aparecer. É difícil seguir alguém de perto aqui, então não vai ser fácil.

CAPÍTULOS DO DUELO

1 – Mônaco/14

Rosberg tem a pole provisória e, em sua última tentativa, escapa na freada da curva Mirabeau e causa bandeira amarela, arruinando a chance de Hamilton de melhorar sua marca. No dia seguinte, numa pista onde é muito difícil ultrapassar, o alemão vence sem maiores problemas.

2 – Bélgica/14

Na segunda volta, Rosberg tenta uma ultrapassagem sobre Hamilton pela liderança. Os dois carros se tocam e o inglês leva a pior, tendo um pneu furado. Hamilton ainda voltou aos boxes mas, com o carro danificado, se arrastou pela pista depois até abandonar perto do fim. Rosberg trocou a asa dianteira e chegou em segundo lugar.

3 – China/15

Hamilton vence com Rosberg em segundo. Depois da prova, o alemão que Hamilton havia diminuído o ritmo de propósito, para deixá-lo vulnerável aos ataques de Sebastian Vettel, que via em terceiro. O inglês se mostrou surpreso e provocou: “se eu estava lento, por que ele não me ultrapassou?”

4 – Japão/15

Nico Rosberg largou na pole position mas saiu mal. Hamilton atacou o alemão na freada da primeira curva e o espremeu para fora da pista. Rosberg perdeu três posições, recuperando-as até o final da prova para terminar em segundo. Depois, recusou-se a comentar sobre o incidente no início.

5 – Estados Unidos/15

Quase num repeteco do que aconteceu em Suzuka, Hamilton endureceu a disputa com Rosberg na primeira curva. Os dois carros chegaram a se tocar e o alemão novamente teve de sair da pista, perdendo posições. Chegou a recuperá-las mas, desta vez, criticou o companheiro. “Ele foi agressivo demais”.